Vestido reto 100% algodão penteado fio 30.1, com costuras reforçadas de ombro a ombro.

 

 

A Wild People produz, Moletons, Camisetas, Posters, Canecas e mais,

inspirados nos Clássicos Cult do cinema, literatura e música, com estampas

exclusivas. desenvolvida de fãs para fãs. Mas não é só nas estampas que temos

nosso diferencial, nossas malhas são 100% algodão penteado fio 30.1, com

costuras reforçadas de ombro a ombro e as nossas técnicas de impressões

são super modernas, sem limitações de cores, em DTF.

 

Todos os produtos necessitam de 7 dias para a

produção.

 

Vendas online para todo o Brasil.

Vestido Wim Wenders

R$ 130,00 Preço normal
R$ 97,50Preço promocional
Color
  • Wim Wenders nasceu em Düsseldorf, em uma família católica tradicional. Seu pai, Heinrich Wenders, era um cirurgião. O uso do nome holandês, "Wim", um diminutivo do nome batismal "Wilhelm/Willem", reflete a proveniência holandesa de sua mãe. A versão holandesa do nome foi rejeitada pelas autoridades de registro civil em 1945, por não ser considerada alemã.[1] Wim Wenders graduou-se no colégio em Oberhausen, no Vale do Ruhr. Ele, então, estudou medicina (1963–64) e filosofia (1964–65) na Universidade de Freiburg e Düsseldorf. Entretanto, Wenders desistiu dos estudos universitários e se mudou para Paris em outubro de 1966 para tornar-se um pintor. Ele fracassou em seu exame de admissão para escola nacional de cinema da França IDHEC (agora, La Fémis), e, como alternativa, tornou-se um gravurista no estúdio de Johnny Friedlander, um artista norte-americano, em Montparnasse. Durante este tempo, Wim Wenders tornou-se fascinado pelo cinema, e via até cinco filmes por dia na sala de cinema local.

    Determinado a fazer de sua obsessão também o trabalho de sua vida, Wenders retornou para a Alemanha em 1967 para trabalhar no escritório de Düsseldorf da United Artists. Nesta época, ele entrou para a "Hochschule für Fernsehen und Film München" (Universidade de Televisão e Filme de Munique). Entre 1967 e 1970, enquanto estava na "HFF", Wim Wenders também trabalhou como crítico cinematográfico para a FilmKritik, para o jornal diário de Munique Süddeutsche Zeitung, e então para a revista Twen e para Der Spiegel.

    Wim Wenders concluiu diversos curtas-metragens, antes de se graduar da Hochschule com um longa-metragem em 16mm, preto e branco, chamado Summer in the City (em português, Verão na Cidade).

    Foi feito Comendador da Ordem do Mérito a 24 de outubro de 2017, pelo Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa.[2]