A Wild Child é uma coleção criada especialmente para o público infantil. Cinema, rock e literatura são as inspirações para um material com temas do universo de gente grande mas com carinha de criança.

Torne o quarto ou aquele espaço da casa mais bonito e divertido com a nossa coleção de quadros com nossos desenhos exclusivos.

 

Impressão digital colorida em couche 170g, no tamanho (20cm  x 20cm ) (  com moldura :Altura (cm): 1cm ( distância da parede)Largura (cm): 2cm (parte da frente da moldura) Material: Moldura em Mdf revestida com papel laminado, fundo em mdf 3mm e frente em acetato(plástico maleável) Cor: Preto. 

 

Quadro Infantil Fight Club - 20cm x 20cm

R$ 39,90Preço
  • Fight Club (bra: Clube da Luta; prt: Clube de Combate) é um filme norte-americano de 1999 dirigido por David Fincher. É baseado no romance homônimo de Chuck Palahniuk, publicado em 1996. O filme é protagonizado por Brad Pitt, Edward Norton e Helena Bonham Carter. Norton representa o protagonista anônimo, um "homem comum" que está descontente com o seu trabalho de classe média na sociedade americana. Ele forma um "clube de combate" com o vendedor de sabonetes Tyler Durden, representado por Brad Pitt, e se envolve com uma mulher dissoluta, Marla Singer, representada por Helena Bonham Carter.[5]

    Os direitos do romance de Palahniuk foram adquiridos pela produtora da 20th Century Fox Laura Ziskin, que contratou Jim Uhls para escrever a adaptação do filme. Fincher foi um de quatro directores considerados; foi eventualmente contratado devido ao seu entusiasmo pelo filme. Fincher desenvolveu o roteiro com Uhls e procurou conselhos de escrita do elenco de outros na indústria cinematográfica. O director e o elenco o compararam aos filmes Rebel Without a Cause e The Graduate. A intenção de Fincher com a violência de Fight Club foi a de servir como metáfora ao conflito entre uma geração de pessoas jovens e o sistema de valores da publicidade. O realizador copiou o tom homoerótico do romance de Palahniuk para manter a audiência desconfortável e desviar a atenção da surpresa do final do enredo.

    Executivos do estúdio de cinema não gostaram do filme, e reestruturaram a campanha de marketing intencionada por Fincher para reduzir as perdas antecipadas. Fight Club não atingiu as expectativas do estúdio nas bilheteiras, e recebeu reacções polarizadas dos críticos, que elogiaram suas atuações, direção, temas e ambiguidade moral, mas criticaram sua violência. O jornal The Guardian viu-o como um prenúncio de mudança da vida política americana, e descreveu o seu estilo visual como inovador. O filme tornou-se mais tarde um sucesso comercial com o lançamento do DVD, que estabeleceu Fight Club como um filme cult e é considerado um dos maiores e mais influentes filmes de todos os tempos.

    Em 2013, Chuck Palahniuk anunciou, durante a edição da ComicCon de São Diego, uma continuação em graphic novel de seu romance, a continuação em graphic novel, foi lançada em maio de 2015, intitulada Fight Club 2. Contudo, até o momento, não há nenhum rumor acerca de uma versão cinematográfica